NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019
BRASIL
Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019, 08h:50

STJ

Julgamento está marcado para esta quinta-feira

Voto decisivo sobre prisão em segunda instância deve ser de Toffoli

Se a tendência de votos for mantida entre os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre prisão em segunda instância, o presidente da Corte, Dias Toffoli, deverá ser o responsável por desempatar o julgamento, previsto para começar na quinta-feira (17).

Em análises anteriores sobre o tema, parte dos magistrados adiantou posição, enquanto outros limitaram-se a oferecer pistas sobre como irão votar. Os pontos de discórdia envolvem uma proposta que represente meio-termo, que poderá ser apresentada em busca de difícil consenso.

Entre os 11 ministros, cinco deverão se posicionar pela manutenção da prisão em segunda instância: Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia, Luiz Fux e Alexandre de Moraes.

De outro lado, a projeção é de que Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello, Gilmar Mendes e Rosa Weber sejam contra a prisão na etapa.

Os destaques ficam com Gilmar, que mudou de posição após ter defendido, no passado, a antecipação do cumprimento de pena, e Rosa, que indicou, em votos proferidos no plenário, que defenderia a prisão somente após o trânsito em julgado de processos quando o tema fosse julgado.

Toffoli, último a votar por ocupar a cadeira de presidente, foi contrário a um habeas corpus, julgado em 2016, em que um réu pedia que a prisão ocorresse somente após o esgotamento de todos os recursos. No entanto, mudou de posição e, em outras três ocasiões, retirou apoio à prisão após condenação em segunda instância.

À frente da Corte, a tendência é que o ministro module o discurso. Em outros julgamentos, ele chegou a sugerir que fosse adotado um caminho intermediário, permitindo a prisão após a condenação em terceira instância, isto é, após sentença confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Nos bastidores, a expectativa é que a eventual alternativa não terá o condão de levar a um consenso, mas pode garantir uma saída menos traumática para o caso, acompanhado com lupa por defensores da Operação Lava-Jato, que pedem punição mais rigorosa, e a simpatizantes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que defendem a liberdade do petista, apesar de condenação no caso do triplex do Guarujá em terceira instância.

CONGRESSO - A decisão do Supremo de pautar o tema para hoje levou a Câmara a destravar uma proposta de emenda constitucional (PEC) que defende a prisão após condenação em segunda instância.

O texto precisa ser aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), primeira etapa da tramitação no Legislativo.

Em sessão extraordinária terça-feira, houve confusão e bate-boca, mas o parecer à matéria não foi apreciado. Audiência pública deverá ocorrer na próxima semana, enquanto a votação está prevista para o final de outubro.

Em cerca de três horas, diversos requerimentos foram protocolados pela oposição, contrária à prisão após segunda instância, para obstruir os trabalhos. O deputado Paulo Teixeira (PT-RJ), criticou o presidente do colegiado, Felipe Francischini (PSL-PR), por ter realizado a convocação na segunda-feira à noite para a discussão na tarde desta terça.

Caso a PEC seja aprovada na CCJ, terá tramitação semelhante à reforma da Previdência: discussão em comissão especial e passar por dois turnos na Câmara, para então seguir ao Senado, com análise na CCJ e no plenário. 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL