NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018

CIDADE
Terça-feira, 13 de Novembro de 2018, 15h:42

NOVA "SERRA PELADA"

Forças de segurança negociam saída de garimpeiros

O DNPM disse que a invasão causou “violenta agressão ambiental”

Joanice de Deus
Da Redação
joanice@diariodecuiaba.com.br
G1
Há um mês, cerca de dois mil garimpeiros invadiram a área particular em garimpo ilegal, em Aripuanã

As forças de segurança estaduais e federais negociam e trabalham para a saída dos garimpeiros que se instalaram em um garimpo ilegal na Fazenda Dardanellos, em Aripuanã (1.050 km a Noroeste de Cuiabá).

Para evitar possíveis confrontos, o assuntou foi discutido em uma reunião entre representantes do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), das polícias Federal (PF) e Militar (PM), Ministério Público e garimpeiros.

Após, o DNPM determinou a paralisação imediata das atividades no local. Há um mês, cerca de dois mil garimpeiros invadiram a área particular.

A notícia de que tem ouro no local se espalhou rapidamente por meio de fotos divulgadas em aplicativos de celulares e redes sociais. O local chegou a ser chamado de a “Nova Serra Pelada”.

Contudo, pouco ouro foi encontrado e alguns já teriam deixado o local. Na semana passada, a o DNPM chegou a classificar a invasão tem causado “violenta agressão ambiental”.

Por isso, a determinação da saída imediata dos invasores da área. Caso seja necessária a realização de uma operação, todos os maquinários deverão ser apreendidos, além da possibilidade de prisões.

A reunião também teve a participação da Cooperativa dos Produtores de Diamantes de Juína (Coooprodil) e da Cooperativa de Garimpeiros de Aripuanã (Coogar).

“Nós, buscamos uma alternativa junto à cooperativa para ver se a gente ache uma solução para buscar para implantação ou dessa área ou de outras que temos chamamos de áreas de aluvião, que são rasas e o garimpeiro pode trabalhar. Nós, orientamos para não enfrentar a Polícia Federal, por que a prisão é de um a cinco anos”, disse o prefeito da cidade, Jonas Rodrigues da Silva, em vídeo postado no site da prefeitura após a reunião.

Da Coogar, Robson Machado, esteve presente auxiliando a cooperativa de Aripuanã.

“ Aqui tem um grande empreendimento em andamento que é benéfico para a região. Aripuanã tem tudo a ganhar com extração sendo feita pelas empresas e garimpeiros. O futuro do município é imenso se através da união da DNPM, Cooperativas e empresas, conseguirem legalizar essas áreas em forma de PLG (Permissão de Lavra Garimpeira), com cooperativa de Aripuanã”, disse.

Conforme o DNPM, toda e qualquer atividade de extração mineral no país sem autorização é caraterizada como usurpação do patrimônio mineral da União, uma atividade ilegal à luz da legislação mineral brasileira.

Consta junto ao Departamento Nacional que a área invadida já tem autorização de uso para pesquisa mineral cedida em nome de terceiros e aguarda portaria com outorga da Lavra.

Inclusive, algumas pesquisas feitas pela empresa detentora dos direitos de exploração já estariam concluídas.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
Em sua opinião, qual deve ser a prioridade do futuro governador de MT?
Reduzir o número de Secretarias de Estado
Concluir as obras do VLT
Pagar dívidas com fornecedores
Saúde, Educação e Segurança Pública
PARCIAL