NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019
Editoriais
Sexta-feira, 09 de Fevereiro de 2018, 17h:36

Esforço final

Mais enxuta e mais distante da proposta original, mas ainda acenando com a perspectiva de assegurar alguma estabilidade ao setor público, a reforma da Previdência ganhou ontem uma nova versão. O Planalto, que espera vê-la votada depois do Carnaval e antes do final do mês, fez concessões com o nítido interesse de assegurar os votos necessários, até agora em número incerto. Ainda assim, diante de pressões populistas por parte de quem nega a realidade dos números e vende soluções milagrosas com interesses eleitorais, são baixas as chances de aprovação. Perdem todos. Esse é o tipo de problema que, quanto mais demora para ser enfrentado, mais difíceis ficam as soluções e mais se amplia o custo para os brasileiros de maneira geral. Se não for aprovada ainda em fevereiro, dificilmente a reforma terá chance de avançar neste ano, em plena campanha eleitoral. Parlamentares de diferentes partidos, portanto, têm agora uma última chance de exercerem plenamente o seu papel nesse processo. Isso significa levar mais em conta a realidade financeira do setor público, e menos as eventuais repercussões negativas entre os eleitores, que muitas vezes resistem a mudanças por desconhecerem a sua real necessidade. Na versão já em poder dos congressistas, o Planalto faz duas concessões claras no esforço de assegurar os 308 votos necessários em duas votações na Câmara. Uma delas foi a retirada de menções à aposentadoria dos trabalhadores rurais. A outra é o pagamento integral da pensão para viúvos e viúvas de policiais mortos em combate. O texto final, porém, mantém a perspectiva de contribuir para a redução da instabilidade no país ao definir uma idade mínima para a concessão do benefício e regras para os funcionários públicos equivalentes às válidas para beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Mesmo quem se opõe às alterações ou teme as consequências não tem como deixar de admitir que, da forma como é financiado hoje, o sistema previdenciário não sobrevive por muito tempo. Não há saídas fáceis para garantir sustentabilidade à Previdência. Quem nega a realidade ou posterga a solução contribui para que o país e os aposentados paguem mais ali na frente. O fato concreto é que esse governo, sem nenhuma chance de reeleição, foi correto ao encaminhar a reforma. Se as mudanças não forem aprovadas agora, precisarão ser levadas adiante pelo próximo ocupante do Planalto. Não há saídas fáceis para garantir sustentabilidade à Previdência. Quem nega a realidade ou posterga a solução contribui para que o país e os aposentados paguem mais na frente

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL