NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 11 de Novembro de 2019
ILUSTRADO
Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2018, 18h:01

LIVRO-CRÍTICA

Collin recusa narrativa realista objetiva

GUILHERME GONTIJO FLORES
Da Folhapress - São Paulo
Luci Collin vem construindo carreira multifacetada, que nesta década se desdobra em romances ("Com que se Pode Jogar", 2011, "Nossa Senhora D'Aqui", 2015), poemas ("Trato de Silêncios", 2012, "Querer Falar", 2014; "A Palavra Algo", 2016) e contos ("A Árvore Todas", 2015). É nesse entrelaçar de registros e técnicas que está seu novo livro, "A Peça Intocada" (Arte & Letra, 2017), que, registrado como obra de contos, pode ser lido como uma série de poemas em prosa. Chamá-los de "poemas em prosa" não é qualificar sua escrita como prosa poética (o que também viria a ser o caso em muitos momentos), mas afirmar a construção de um tipo de conto que recusa a estrutura da narrativa realista objetiva para apresentar uma pletora de registros e personagens quase anônimos que apresentam sua diferença na linguagem. Essa nomeação do poema em prosa nos chama para atentarmos de que modo cada conto parece demandar uma forma específica que construa o seu sentido complexo: nesse aspecto, recusa a fórmula garantida e prefere arriscar-se, a cada momento, numa nova escrita. "Matiz das Armadilhas", por exemplo, um dos exemplos mais "tradicionais" do livro, entremeia narradores em espaços diversos, com linguagens bem distintas, para cruzar o sentido das relações num não encontro final, que por sua vez dialoga com a vida e a obra de Lewis Carroll. O seguinte, "Margens Personalizadas", tira qualquer chão do leitor, apresentando uma (talvez) autonarradora anônima que se desdobra entre listas do que não fazer e pensamentos quase desconexos, em disposição visual que por vezes beira a versificação. "Se Deus Quiser e se Eu Crescer", com tom de piada ou caso infantil, organiza-se em torno do jovem Ricardo, um pequeno leitor, como que acompanhando sua cabeça em fluxo de pensamentos e audições da sala de aula, enquanto sofre por medo de revelar sua vida precária, pobre, sem pai, num mundo que não parece aprovar a ficção como modo de ser. O conto "A Peça Intocada" é uma pérola à parte que demandaria mais tempo. Enfim, cada um mereceria um comentário à parte, já que o livro se reúne em torno da multiplicação de vozes, em recusa à unidade imediata. O que se destaca de pronto são as metamorfoses de Collin para encontrar o que cada conto (ou poema, insisto) demanda para acontecer. Essa multiplicidade ganha amarração precisa na edição da Arte & Letra, já premiada por seu trabalho: o leitor logo percebe que o livro se organiza em torno de 15 contos, abertos pelo desenho de uma mão que toca uma peça de xadrez. Ao fim, temos uma peça intocada das 16 que constituem uma das cores do jogo, e vemos um rei tombado sem a mão que o derruba. De modo similar, a escrita de Collin nos mostra uma queda enquanto oculta o empurrão, exibe a cena enquanto convida que o leitor refaça o rastro que a origina. A PEÇA INTOCADA AUTORA Luci Collin EDITORA Arte & Letra QUANTO R$ 42 (112 págs.) AVALIAÇÃO muito bom

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL