NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
ILUSTRADO
Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2018, 18h:00

CINEMA

Em busca da verdade

Saga com atriz Frances McDormand, favorita ao Oscar, 'Três Anúncios para um Crime' estreia nos cinemas

GUILHERME GENESTRETI
Da Folhapress – São Paulo
Há 20 anos, o diretor londrino Martin McDonagh viajava de ônibus pelo Sul dos Estados Unidos quando topou com outdoors à beira da estrada que traziam mensagens ofensivas à polícia local. "Imediatamente me perguntei: 'Quem teria tanta raiva para deixar mensagens assim tão ultrajantes?' Uma vez que decidi que essa pessoa era uma mãe, a história se desenrolou na minha frente." Na época, o nome de Donald Trump ainda só era associado à figura de um milionário bufão. Mas, quando a história pela primeira vez ganhou as telas do cinema, em 2017, "Três Anúncios para um Crime" foi abraçado como uma reflexão sobre o rancor que elegeu o republicano. "Não vejo essa conexão. O filme não foi feito para ser um comentário social sobre a situação americana. Foi rodado durante as eleições", diz ele à reportagem, por telefone. Mas seria estúpido tapar os ouvidos diante de quem acha isso." Os elementos para corroborar tal percepção são numerosos: há no filme a insurgência contra as instituições, o ódio difuso, os brancos empobrecidos -tudo o que entrou na equação da vitória de Trump. Ajuda bastante o fato de a trama se passar na fictícia Ebbing, no Missouri - Estado americano de maioria branca, protestante e que fica na metade mais pobre do país. Embora não tão folclórico quanto seus vizinhos do Sul, o lugar funciona como epítome de certa América rural. "Gosto de ouvir a voz dos americanos interioranos, mas a história é universal. Poderia acontecer com uma mãe brasileira, por exemplo." No filme, que estreou nesta quinta (15) no Brasil, Mildred (Frances McDormand) vive o luto de uma filha que foi estuprada e morta meses antes. Como a polícia local não conseguiu solucionar o crime, ela compra o espaço em três outdoors nas cercanias da cidade e neles afixa mensagens para intimidar o xerife local (Woody Harrelson): "Estuprada enquanto morria/ E ainda não houve nenhuma prisão?/ Como pode, delegado Willoughby?". SEM SENTIMENTALISMO A atitude radical de Mildred entorna o caldo de sua relação com a polícia, que tem como principais representantes o xerife e seu assecla racista (Sam Rockwell), e incendeia a cidadezinha, desdobrando-se num grande ensaio sobre o ódio. "Deixei espaço para lágrimas no roteiro. Mas Frances nunca cai no sentimentalismo", conta McDonagh sobre a performance da atriz, favorita ao Oscar da categoria. "Ela estava determinada a interpretar a personagem como alguém que não tivesse acesso a essas emoções e vivendo a hora de deixar a raiva vir à tona." A ira aflorada dos dois lados, entretanto, tem seus poros, especialmente na relação entre Mildred e o xerife. "Ambos vão à guerra, mas isso não acaba com a humanidade deles. São duas pessoas que não deveriam -ou não queriam- estar em guerra uma com a outra, mas que estão", resume o diretor, que é egresso de comédias de humor negro como "Na Mira do Chefe" (2008) e "Sete Psicopatas e um Shih Tzu" (2012). Parte da crítica cinematográfica reagiu acidamente à suposta condescendência do diretor para com a protagonista. Mas ele não crê que a obra endosse a atuação desmesurada de Mildred. "Ela é um ser humano absolutamente questionável. O filme não passa a mão na cabeça dela", afirma o diretor, que diz não ser nem um pouco fã de histórias de super-herói, maniqueístas. "É ótimo que as tramas se afastem o máximo possível das da Marvel, que não têm humanidade nem surpresa nem mesmo cinema." Indicado a sete estatuetas no Oscar, "Três Anúncios para um Crime" é o título com mais força para fazer Guillermo del Toro e seu monstro aquático de "A Forma da Água" derraparem na reta final da disputa. São filmes díspares; o de McDonagh, mais denso e violento do que a fábula do mexicano. O diretor britânico, contudo, insiste em dizer que não se comove muito com o fuzuê em torno do Oscar. "É meio bobo, meio louco; acho ok, no final das contas. E eu não me sinto como se fizesse parte de Hollywood".

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL