NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
ILUSTRADO
Quinta-feira, 01 de Fevereiro de 2018, 18h:13

MEMÓRIA

Três morreram, um escapou correndo para dentro da igreja

O crime conhecido como “Chacina do Beco do Candieiro” aconteceu em 10 de junho de 1998, quando três jovens foram assassinados a tiros, no centro de Cuiabá, capital de Mato Grosso. O episódio ganhou repercussão nacional. Conforme denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso, “por volta das 20 horas, no local tradicionalmente conhecido como “Beco do Candeeiro”, em frente ao número 67, coração de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, ADILEU SANTOS, o “Baby”, 14 anos de idade, EDGAR RODRIGUES DE ARRUDA, apelidado de “Indinho”, 15 anos de idade e REGINALDO DIAS MAGALHÃES conhecido como “Nado” , 16 anos de idade, foram caçados e executados por arma de fogo tipo pistola quando encontravam-se no denominado “Beco do Candieiro”, como de costume, conversando. As vítimas estavam sentadas na calçada, quando no primeiro momento a vítima Adileu, que estava sentado no degrau do mercado Gama, ou seja, era a primeira no trajeto dos homicidas, que sem dizer qualquer palavra, apontou a pistola para a cabeça de Adileu e desferiu um tiro, sendo que a vítima sequer percebeu que seria atingida pelo disparo”. Após isso, o homicida virou-se em direção à vítima Reginaldo, que se encontrava também sentado a poucos centímetros de Adileu e efetuou vários disparos de arma de fogo contra o mesmo, que caiu no local já ferido de morte e foi encaminhado ao Pronto Socorro Municipal de Cuiabá por terceiros. Em ato contínuo o homicida apontou sua arma em direção à vítima Edgar, que permanecia sentado próximo a Adileu e Reginaldo, sendo que Edgar não esboçou qualquer reação, pelo contrário, permaneceu parado e sem ação diante daquela brutalidade. Assim, o assassino desferiu um tiro na cabeça desta vítima, que caiu mortalmente ferido. E, como o assassino percebeu que a quarta vítima, Edílson, estava a alguns metros adiante, do outro lado da rua, desferiu dois tiros em direção a ele, momento em que este levantou-se e ainda viu o assassino manobrando a sua pistola, momento em que saiu correndo em direção ao calçadão. Ainda assim o assassino efetuou mais dois disparos contra Edílson enquanto este corria, mas não conseguiu acertá-lo. Edilson foi buscar abrigo na Igreja Matriz onde se realizava um casamento e sobreviveu. (Narrativa extraída do site da Associação dos Familiares Vítima da Violência)

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL