Diario de Cuiabá

Sábado, 07 de Setembro de 2019, 05h:15

Resgate da história

Com relação a essa esquizofrenia sobre Amazônia: nada começou agora!

Sempre tive muita preocupação com a história. Ela é quem baliza o presente e indica o futuro. Na história recente do Brasil ela foi desprezada como sinal de atraso. Burrices ideológicas que o tempo vai corrigir. Lá na antiguidade remota Confúcio já pregava a história como indicadora do presente e do futuro. A burrice já está cobrando o seu preço na atualidade. 

Com relação a essa esquizofrenia sobre Amazônia, tem história conexa. Este artigo pretende trazer um pouco da racionalidade das gerações anteriores sobre as atuais. Nada começou agora! Vamos lá. Em 1973 a mesma França que hoje incomoda, liderou dois movimentos. Um, pra permitir a pesca de camarão dentro do mar territorial brasileiro de 200 milhas. A segunda, internacionalizar a Amazônia. 

O Brasil deu muitas respostas estratégicas a partir de 1973. Vamos uma a uma enumeradas a seguir. 

1 – Construiu duas grandes rodovias visando integrar a região amazônica. A Transamazônica, de São Luis a Manaus. A segunda, a abertura da Cuiabá-Santarém. 

2 – criou o projeto Calha Norte, de proteção militar e tecnológica das fronteiras ao Norte.

3 – mapeou o solo e o subsolo amazônico por imagens fotogramétricas através do Projeto RadamBrasil, de 1970 a 1985. 

4 – impulsionou a Zona Franca de Manaus, criada em 1957 pra dar ocupação econômica de escala à região com desdobramentos sociais. 

5 – dividiu Mato Grosso separando a região Sul que já estava desenvolvida e permitir a concentração de recursos e de projetos na linha da ocupação amazônica a partir de Cuiabá. Aliás, ficou conhecida como “Portal da Amazônia”. 

6- Instituiu o programa Marcha para o Oeste sob o lema de “integrar pra não entregar”. O programa permitiu a criação de programas especiais de desenvolvimento tanto no Sul quanto no Norte pra consolidar a ocupação humana. Incentivou-se a vinda de colonos de várias regiões do país para o Centro-Oeste e Amazônia. Em particular para Mato Grosso. Exemplo: Polocentro pra ocupar 1 milhão de hectares do cerrado. 

7 – Além da divisão territorial, Mato Grosso foi contemplado com três medidas estratégicas: a pavimentação de Campo Grande e de Goiânia até Rondonópolis e a Cuiabá, a implantação da Universidade Federal de Mato Grosso e a extensão do primeiro linhão de energia elétrica desde Cachoeira Dourada-Goiás até Cuiabá. 

8 – Nem tudo correu como se previu. Os investimentos federais na divisão e na efetiva ocupação da Amazônia sofreram forte queda com as duas crises do petróleo, de 1973 e de 1983. Talvez isso explique tantas paranoias hoje pelo que não foi concluído naqueles distantes anos da década de 1970 do século passado. 

O assunto continua. 

ONOFRE RIBEIRO é jornalista e analista político em Mato Grosso.


Fonte: Diario de Cuiabá

Visite o website: dev.diariodecuiaba.com.br