NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Segunda-feira, 18 de Novembro de 2019
POLÍCIA
Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2018, 18h:28

CASO IRMÃOS BRANDÃO

Advogado desiste de defesa de Célio e júri é adiado

ALINE ALMEIDA
Da Reportagem
O Tribunal de Júri Popular de Rondonópolis adiou o julgamento do ex-soldado da Polícia Militar de Mato Grosso Célio Alves de Souza que estava marcado para ontem. Célio seria julgado pela coautoria dos assassinatos dos agricultores Brandão Araújo Filho e José Carlos Machado Araújo, conhecidos como os “irmãos Araújo”. Os crimes aconteceram em 1999 e 2000. O júri foi adiado após o advogado de Célio Alves desistir de patrocinar sua defesa no processo. Assim, o réu terá 15 dias para indicar um novo defensor. Caso não indique, será acionada a Defensoria Pública. Gustavo Medeiros de Araújo, neto de José Carlos e advogado afirma que a família agora aguarda despacho com a nova data do julgamento. Gustavo confirma que são anos de luta e a família vive a esperança de que os crimes não sejam marcados pela impunidade. Os crimes foram motivados por uma disputa de terra e teriam como mandantes o empresário Sérgio Marchett e a filha Mônica Marchett. O primeiro crime aconteceu no dia 10 de agosto de 1999. Brandão foi executado pelo pistoleiro Hércules Araújo Agostinho, o cabo Hércules, a tiros de pistola em pleno centro de Rondonópolis. O segundo crime foi em 28 de dezembro de 2000, onde José Carlos foi executado, também a tiros de pistola 9 mm, no estacionamento de uma agência bancária em Rondonópolis. Em ambos os casos Célio Alves ajudou o pistoleiro Hércules Agostinho. As mortes teriam sido motivadas pela disputa judicial de uma fazenda de 2.175 hectares, localizada na região conhecida como Mineirinho, que fica a 70 quilômetros de Rondonópolis. A fazenda seria um negócio mal sucedido entre José Carlos e Sérgio Marchett, realizado em 1988, cuja demanda até hoje se arrasta na Justiça. Os crimes começaram a ser desvendados em setembro de 2003 pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco), quando o cabo Hércules, preso para responder pelo assassinato do empresário Sávio Brandão, confessou espontaneamente a participação no assassinato dos irmãos Brandão. ‘Cabo Hércules’ apontou como coexecutores Célio Alves, o ex-sargento da PM/MT, José Jesus de Freitas (morto pelos acusados Hércules e Célio), o capitão da PM/MT, Marcos Divino e a família Marchett como mandantes dos crimes.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL