NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019
POLÍCIA
Segunda-feira, 05 de Fevereiro de 2018, 19h:06

DNI

Documento unificado a partir de junho

Governo Federal apresentou ontem o documento que vai integrar os documentos como identidade, título de eleitor, CPF e habilitação

O governo federal lançou nesta segunda-feira (5) o projeto-piloto para o DNI (Documento Nacional de Identificação), um documento que pretende integrar diversos registros utilizados pelo cidadão como o CPF (cadastro de pessoa física) e o título de eleitor. A previsão do governo é que o documento, que poderá ser exibido por meio de smartphones, esteja disponível ao cidadão a partir de julho deste ano. O secretário de Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Marcelo Pagotti, disse que, na medida em que os convênios com os Estados for intensificado, a tendência é que o DNI também apresente os números do RG de cada cidadão. O DNI utiliza, inicialmente, a base de dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que fez o cadastro biométrico (impressões digitais) de aproximadamente 75 milhões de eleitores. Durante a fase de testes, 2.000 pessoas já puderam emitir seus documentos. Segundo o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, a ideia é que após os testes nas duas entidades, o documento possa ser disponibilizado. "Uma vez testado e consolidado o processo, verificando os níveis de segurança, estamos prevendo com o comitê gestor do DNI implementar, colocar à disposição da população em julho deste ano", afirmou. Quando estiver em pleno funcionamento, o documento poderá ser emitido via smartphones que utilizam sistema operacional Android ou IOS. Para emitir o documento, as pessoas que já tiveram suas biometrias cadastradas junto ao TSE deverão baixar o aplicativo do DNI em seus smartphones, fazer um pré-cadastro e validar seus dados junto a um ponto de atendimento. Inicialmente, os pontos de atendimento válidos são os da Justiça Eleitoral. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no primeiro momento, aproximadamente cerca de 2.000 servidores do TSE e do Ministério do Planejamento poderão fazer download do aplicativo do documento que, posteriormente, será ampliado para uso dos demais servidores da Justiça Eleitoral e gradativamente para população. O DNI somente poderá ser baixado pelo cidadão uma única vez e em um só dispositivo móvel, por questão de segurança. Somente poderá baixar o aplicativo e ter acesso digital ao DNI quem já fez o cadastramento biométrico na Justiça Eleitoral. Os técnicos do governo explicam que as pessoas que ainda não fizeram o cadastro biométrico na Justiça Eleitoral ou que não estão em idade eleitoral também poderão ter acesso ao DNI. A meta é que, além de convênios com os Estados, o governo também faça parcerias com empresas privadas que tenham capacidade para fazer o registro biométrico e repassar os dados à base nacional. Durante cerimônia de lançamento do DNI, o presidente do TSE, Gilmar Mendes, destacou a importância da urna eletrônica para as eleições no país, disse que ela é um importante modelo "de sucesso" e ressaltou que a biometria que a Justiça Eleitoral está efetuando era uma demanda antiga e necessária. "Tínhamos uma vulnerabilidade que era a questão de identificação", afirmou. Gilmar Mendes citou o caso de um cidadão de Goiás que tinha diversos títulos de eleitor. "Esse cidadão tinha 52 títulos eleitorais e não usava títulos para votar, mas para outras práticas, crimes comuns", afirmou. Segundo Gilmar, certamente essa situação ocorre com a carteira de identidade. De acordo com Janino, o governo pretende ampliar a rede de cadastro e de validação dos pontos biométricos. A princípio, a PF (Polícia Federal) e o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) também repassarão os dados biométricos das pessoas que tiraram passaporte ou CNH (Carteira Nacional de Habilitação). "A ideia é termos um enorme banco de dados que será abastecido e ampliado à medida em que houver mais convênios", disse Janino. Além da PF e do Denatran, o governo federal também já firmou convênio com os institutos de identificação de alguns Estados como Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Bahia e Rio de Janeiro.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL