NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019

Primeira Página
Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2018, 18h:29

MT ROUBADO

Mulher de Silval Barbosa depõe na CGE

A Controladoria Geral do Estado (CGE) ouviu ontem, segunda-feira (26), a ex-primeira dama do Estado e ex-secretária de Estado do Trabalho e Assistência Social (Setas), Roseli Barbosa, esposa do ex-governador Silval Barbosa. Roseli foi chamada para prestar depoimento com relação a uma investigação sobre o pagamento de propina por aproximadamente 100 empresas durante o governo do marido dela. O objetivo é investigar possíveis prejuízos aos cofres públicos do Estado durante a administração passada. A Controladoria informou que, em investigação, apurou que houve um rombo de R$ 1,03 bilhão em contratos feitos pelo Governo de Silval. Ao chegar a sede da CGE, Roseli explicou que falaria apenas sobre casos envolvendo a Setas, pasta que comandou. No entanto, evitou entrar em detalhes. “Estou tranquila. Meu conhecimento se resume a Setas, mas a quantidade de empresas e outros detalhes a CGE pediu para eu não falar, pois a investigação está sob sigilo. Eles tinham algumas dúvidas e o que eu podia esclarecer eu esclareci. São dúvidas relativas a empresas relacionadas à Setas, quando eu estive à frente da secretaria”, contou Sueli após o depoimento. Além de Roseli Barbosa, vão prestar depoimento na CGE nesta semana o filho dela, Rodrigo Barbosa, e o cunhado Antônio Barbosa. Todos são junto com o ex-governador Silval Barbosa, delatores de esquemas criminosos ocorridos na gestão passada. Juntos, eles delataram quase 100 fatos envolvendo desvio de dinheiro público.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
Em sua opinião, qual deve ser a prioridade do futuro governador de MT?
Reduzir o número de Secretarias de Estado
Concluir as obras do VLT
Pagar dívidas com fornecedores
Saúde, Educação e Segurança Pública
PARCIAL