NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Primeira Página
Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018, 19h:39

OPERAÇÃO MALEBOLGE

STF quebra sigilo bancário da empresa de Carlos Avalone

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, determinou a quebra do sigilo bancário da empresa Três Irmãos, que pertence ao secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Carlos Avalone (PSDB). A decisão atende ao pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), que investiga a empresa de ter repassado recursos ao ex-governador Silval Barbosa para obter contratos de obras com o governo. “defiro o pedido de afastamento do sigilo bancário da empresa Três Irmãos Engenharia LTDA.“, diz trecho da decisão proferida na última quinta-feira (22). De acordo com relatório da PF, nos documentos apreendidos na casa de Avalone e na sede da empresa, alguns repasses podem estar ligados as devolução de recursos de obras públicas tocadas pela Três Irmãos Engenharia para que Silval pudesse pagar propina a diversos agentes públicos. “Assim, frente aos lançamentos de transferências online via TED registrados em documento contábil da empresa Três Irmãos Engenharia, que perfazem o montante de R$ 3.087.322,02 (três milhões, oitenta e sete mil, trezentos e vinte e dois reais e dois centavos), com histórico que remete ao recebimento de RECEITA do GABINETE DO GOVERNADOR sendo estas transações datadas de 22/12/2014 - poucos dias antes da saída de Silval Barbosa do Governo do Estado e considerando-se que o próprio Silval Barbosa informou, em Termos de Declarações prestados perante o Ministério Público Federal, que teria se utilizado de cheques emitidos pela empresa Três Irmãos Engenharia para realizar repasses de propina, suspeita-se que tais lançamentos de RECEITA do GABINETE DO GOVERNADOR possam estar relacionados com esses eventos ora mencionados”, diz trecho do relatório. A PF ainda alega que encontrou constatações de divergências entre operações financeiras e documentos utilizados para justificá-las. E sua delação Silval afirma que Avalone e seus irmãos, que são sócios na empresa Três Irmãos, pagaram propina com um cheque sem fundo. A propina seria proveniente de contratos do programa “MT Integrado”, que assegurava investimentos de aproximadamente R$ 1,5 bilhão para pavimentação. Avalone teria entregado cerca de R$ 2 milhões em cheques ao ex-governador Silval Barbosa (PMDB), a título de propina do “retorno” dos contratos das obras. Alguns desses cheques (R$ 800 mil), no entanto, teriam retornado por falta de fundos e acabaram não sendo posteriormente quitados. Ainda de acordo com a decisão, Fux “determino à DPF/MT que mantenha em seu poder a documentação da empresa Três Irmãos Engenharia no que condiz ao período compreendido entre 01/08/2014 e: 30/06/2015, na forma proposta pelo relatório de análise 005/2017; e autorizo, pelo prazo de 90 dias, à QPF/MT que proceda à realização de análises complementares nos telefones celulares mencionados nos laudos 757/2017 SETEC/SR/PF/MT, 758/2017 SETEC/SR/PF/MT e 759/2017 SETEC/SR/PF/MT.”, diz outro trecho da decisão. O secretário Carlos Avalone nega as acusações desde que vieram à tona. A reportagem não conseguiu contato para que ele comentasse o relatório da PF. (PR)

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL