NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Primeira Página
Segunda-feira, 10 de Abril de 2000, 21h:50

GÁS BARATO

Tebet cobra promessa do presidente

O senador Ramez Tebet (PMDB-MS) enviou uma carta ao presidente Fernando Henrique Cardoso cobrando o cumprimento da promessa de que pelo menos a termelétrica de Corumbá possa comprar gás boliviano a preço mais baixo. De acordo com um plano do Governo Federal, Mato Grosso do Sul terá três termelétricas, sendo as outras duas em Campo Grande. “Estou cobrando porque começou a construção de uma termelétrica do lado boliviano, em Porto Suarez, que usará gás a preço extremamente baixo e depois poderá vender sua energia em Corumbá. Isso é um golpe de morte na nossa termelétrica. É um golpe no futuro de Corumbá”, afirmou. De acordo com o senador, uma empresa norte-americana já está trabalhando na construção da linha de transmissão de energia nos 18 quilômetros que separam Corumbá da futura usina em território da Bolívia. Ele lembrou que o presidente prometeu gás boliviano mais barato para Corumbá porque o município está na divisa com a Bolívia, perto de onde o gás é extraído. “Não tem sentido Corumbá pagar o mesmo preço que indústrias de São Paulo”, protestou. Ramez Tebet ressaltou que, pela Constituição, o Governo deve orientar sua política econômica para a redução das desigualdades sociais e regionais. O senador lembrou que Corumbá é uma cidade isolada do resto do país “e espera sua oportunidade há séculos”. A região possui a segunda maior reserva brasileira de minério de ferro, a segunda de manganês e a primeira de calcário, disse o senador, sustentando que Corumbá precisa do gás mais barato para industrializar suas jazidas de minérios. A preocupação do senador baseia-se na atual legislação energética brasileira, pela qual qualquer empresa pode produzir e vender eletricidade às empresas de distribuição. No caso, o grupo instalado do lado boliviano poderá vender energia e até mesmo reivindicar o uso do atual sistema de distribuição de energia da região de Corumbá. Tebet foi apoiado em apartes dos senadores Juvêncio da Fonseca (PFL-MS), Jonas Pinheiro (PFL), Bernardo Cabral (PFL-AM) e Gilberto Mestrinho (PMDB-AM). Mestrinho alertou que, “com tanta restrição ambiental que andam fazendo no Brasil”, não é exagero afirmar que, no futuro, o Mato Grosso do Sul “não poderá nem mais criar boi, sendo obrigado a viver da imagem de sua flora e da fauna”.

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
A quem interessa a rixa entre o governador Mauro Mendes e o prefeito Emanuel Pinheiro?
Ao governador do Estado
Ao prefeito da Capital
Aos grupos políticos que miram as eleições de 2020
Isso só prejudica a população em geral
PARCIAL