NA HORA
O jornal de Mato Grosso Facebook twitter youtube

Cuiabá MT, Quarta-feira, 22 de Maio de 2019
Primeira Página
Quarta-feira, 19 de Julho de 2017, 19h:26

ELEIÇÃO 2018

Zé Medeiros sonda mudar de legenda

Senador pensa em disputar uma das vagas ao Senado em 2018 e no PSD as chances são pequenas

RAFAEL COSTA
Da Reportagem
Diante da inviabilidade de concretizar sua candidatura ao Senado nas eleições de 2018 pelo PSD, o senador José Medeiros avalia a possibilidade de migrar para outra legenda. Conforme apurado nos bastidores, a cúpula do PSD trata como prioridade à reeleição do empresário do agronegócio Carlos Fávaro a vice-governador na chapa encabeçada pelo atual governador Pedro Taques (PSDB). Outra possibilidade avaliada pelo PSD é lançar Fávaro candidato ao Senado e abrir espaço a outro partido da base aliada para indicar o vice-governador na chapa liderada pelo PSDB. Por conta disso, já é considerada nula a possibilidade de o PSD ter duas candidaturas majoritárias nas eleições de 2018, abrindo assim espaço para Medeiros buscar outra legenda que aceite seu projeto político de ser candidato ao Senado. A mudança de partido é facilitada pelo entendimento já firmado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de que a lei da infidelidade partidária, aquela que pune com perda de mandato o agente político que muda de partido, não se aplica aos titulares de cargos majoritários que são os prefeitos, governadores, senadores e presidente da República. Uma das possibilidades é que Medeiros venha a aderir ao Partido da República (PR) e ter o apoio do senador Welington Fagundes, principal liderança do partido em Mato Grosso, para se viabilizar como candidato ao Senado. Nas últimas semanas, a legenda recém-fundada Podemos, que já conta com os senadores Álvaro Dias (PR) e Romário Faria (RJ), convidou Medeiros a aderir ao partido. Outros partidos como o PP, DEM e o PTB também manifestaram interesse na filiação. Policial Rodoviário Federal devidamente aprovado em concurso público, José Medeiros foi eleito suplente de senador em 2010 na chapa que elegeu ao Senado o atual governador Pedro Taques, na época filiado ao PDT. Ao assumir o mandato em fevereiro de 2015, Medeiros deixou o PPS e ingressou no PSD após a legenda social democrata promover diversas alterações a partir do momento em que o vice-governador Carlos Fávaro, egresso do Partido Progressista (PP), assumiu a presidência do diretório estadual. Apesar do curto período de mandato, Medeiros se notabilizou no Senado Federal pela dura oposição a gestão da ex-presidente da República Dilma Rousseff (PT). Posteriormente, assumiu no Senado a vice-liderança do governo Michel Temer (PMDB) mantendo bom relacionamento com políticos notáveis como o ex-presidente da República e atual senador por Alagoas Fernando Collor de Mello (PTC).

Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.



ENQUETE
Em sua opinião, qual deve ser a prioridade do futuro governador de MT?
Reduzir o número de Secretarias de Estado
Concluir as obras do VLT
Pagar dívidas com fornecedores
Saúde, Educação e Segurança Pública
PARCIAL